Rolha de Cortiça Natural vs Screw Cap

 

A rolha de cortiça natural é a escolha
clássica desde o início da Europa moderna (± desde o ano 1400), mas será mesmo
a melhor opção? Pois bem, os argumentos que vão surgindo em defesa de um e outro
não são tão preto no branco como dizem. Estudei um bocadinho a
comparação entre as rolhas de cortiça natural e as cápsulas de rosca (screw
caps) e em resumo esquemático cá vai:

 

Rolhas cortiça natural
Prós:                                                                Contras:
Fonte natural renovável                                  Fonte
natural limitada
Historicamente preferidas                              Qualidade
variável
Provas dadas ao longo do tempo                  1-3%
são afetadas por TCA
                                                                        São
mais caras (2-3x)
                                                                        A
micro-oxigenação é variável

 

Screw caps
Prós:                                                                Contras:
Mais económicas                                            Muitas
não permitem oxigenação
Fáceis de abrir                                                Não
provêm de fontes renováveis
“Não são afetadas por TCA”                          Recicláveis mas não biodegradáveis
                                                                        Qualidade
de fabrico variável
                                                                        Associadas a vinhos jovens
                                                                        Associadas
a vinho barato

 

Muito bem, penso que a primeira dúvida
aqui é: TCA?
O TCA, ou se
preferirem o Ácido tricloroacético (2,4,6-tricloroanisol – CCl3COOH), é um
composto químico que pode ser responsável por deixar um sabor/aroma a mofo no
vinho.
É
sabido que a cortiça pode ter TCA, mas este “trunfo” dos defensores dos
substitutos da cortiça, não é tão vitorioso assim. Após discutir este assunto
com 2 experts em rolhas de cortiça natural, a Cátia e o Pedro, fiquei a saber
que afinal o TCA (embora em menor probabilidade) pode aparecer em todo lado,
quer na água, no vidro e nas próprias screw caps.

 

Em 2011 uma
equipa formada por elementos do departamento de I&D Amorim e da Faculdade
de Enologia do Instituto de Ciências da Vinha e do Vinho da Universidade de
Bordéus realizou um apurado trabalho de investigação numa área de pesquisa
ainda relativamente inexplorada: a permeação de compostos voláteis através dos
vedantes. O estudo comparou o comportamento das rolhas de cortiça natural e
aglomerada e dos vedantes artificiais quando expostos a um ambiente contaminado
com TCA e num período de armazenamento de 36 meses. As conclusões indicam que
as rolhas de cortiça são barreiras efectivas contra a transmissão do TCA, ao
contrário do que acontece com os vedantes artificiais.

 

Estes resultados
vêm reforçar as características únicas da rolha ao nível da vedação e da
conservação do vinho – apesar de permitir a entrada de ar suficiente para a
maturação, a rolha é impermeável aos compostos voláteis que em algumas
condições de armazenamento poderiam afetar negativamente as propriedades
sensoriais dos vinhos engarrafados, ao contrário do que acontece com os
vedantes artificiais. Este aspeto de conhecimento recente é crucial se tivermos
em conta que a principal função da rolha ou de qualquer outro vedante é
garantir a protecção total do vinho engarrafado.

 

Mas
mesmo assim, se continuam a preferir as screw caps para eliminar os riscos de
ter TCA, ficam a saber que há empresas de rolhas (por exemplo a Cork Supply Portugal) que fornecem um
serviço que ajuda na detecção destes “defeitos”, através do nariz humano,
eliminando assim as rolhas “defeituosas”. Sim, existem mesmo cheiradores de
rolhas!
A oxigenação do vinho através da rolha é assim tão importante?
Se
queremos que o vinho envelheça na garrafa, esta tal oxigenação é mais do que
importante, é obrigatória. Agora se queremos um vinho jovem e que sabemos que
não tem potencial de envelhecer, então aqui a oxigenação tem um papel
prejudicial.
Então
em que ficamos? Que rolha é a melhor?
Retirei
o seguinte texto das conclusões de uma Tese de Mestrado da Faculdade de
Ciências da Universidade do Porto escrita por Ana Fernandes – Impacto de uma
rolha de cortiça na composição polifenólica de vinhos tintos engarrafados:
“Entre os vinhos engarrafados com vedantes screw-cap e
com rolha de cortiça natural não se verificaram diferenças muito significativas
nos parâmetros polifenólicos analisados, nomeadamente a nível da cor e do teor
em antocianinas. No entanto, a maior difusão de oxigénio através da rolha de
cortiça pareceu conferir a estes vinhos uma evolução mais benéfica. Para além
de possuírem um teor mais elevado em compostos fenólicos, as transformações que
os compostos fenólicos originais foram sofrendo ao longo do seu envelhecimento levaram à formação de novos compostos que aparentemente conferiram uma
capacidade antiradicalar superior a estes vinhos. 

Assim, entre os
vedantes analisados neste estudo, a rolha de cortiça natural foi o vedante que
pareceu conferir ao vinho uma melhor capacidade de envelhecimento e maturação.”

 

E
agora ia lá eu contradizer a rapariga? Nem pensar numa coisa dessas….
Penso
que cada rolha poderá ter a sua aplicação. Se queremos um vinho jovem que não
envelhece (a maior parte dos brancos e rosados) então aqui a screw cap (em
alternativa à rolha de aglomerado) não me choca muito se for usada. De resto,
na minha opinião a cortiça acaba por sair vitoriosa.
E
a arte de abrir uma garrafa? Não conta para nada? Pegar num saca-rolhas e com
mestria apontar o centro da rolha, calcular mentalmente que a espiral vai
entrar uns milímetros ao lado, não fazer entrar em demasia o saca-rolhas para
não cair rolha no vinho… Fazer o silêncio antes de ouvir o “pop” da rolha a
sair… (quem não gosta desse som?) Tudo isto mais o cheirar e inspecionar a
rolha antes de provar o vinho faz parte do ser Enófilo.
Ainda
não vi nenhum vinho de topo sem rolha de cortiça natural. Quando vir um
Barca Velha com um screw cap talvez mude de ideias, mas até lá…
Cheers,
João
www.corksupply.com
www.amorim.com