Enólogo, Enófilo, Escanção

E agora para acompanhar este prato não sei que vinho escolher! (Quem nunca sentiu isto num restaurante, ou mesmo em casa?)

– Oh pá, eu não percebo nada de vinhos.
– Eu também não sou um expert na coisa, não sou Sommelier!
– Olha agora este saiu do armário queres ver? Sou tão fino eu, So..mme..li..er… Ui que chic…
– Então não é assim que se diz?
– É assim que se diz… em Brasileiro. Em Português de Portugal diz-se Escanção….
Agora vocês perguntam, de que é que este está aqui a falar?
Escanção, segundo a grande fonte de informação mundial, que hoje em dia nos leva a perder muitas apostas, a Wikipedia, “é um profissional especializado, encarregado de conhecer os vinhos, cervejas, ou outros tipos de bebidas, e de todos os assuntos relacionados ao serviço deste. Adicionalmente, trata da compra, armazenamento e rotação de adegas e elabora cartas de vinho em restaurantes”. Ou seja, é a pessoa mais indicada para nos ajudar na escolha do vinho certo para acompanhar as iguarias que escolhemos saborear. Não confundir com Enólogo. Este último é o responsável por todos os aspectos relacionados com produção do vinho, desde a plantação das videiras até ao seu engarrafamento. O Enólogo é quem estuda o terreno e escolhe as vinhas. É quem acompanha a maturação da uva, e coordena a vindima. É quem decide o método de vinificação e decide os tempos de estágio que o vinho deve fazer. Decide se quer fazer misturas de castas ou se quer fazer vinho mono-casta. É aquele que sabe se o vinho ainda vai evoluir mais e como vai evoluir. Por outras palavras, é o criador do vinho, ou se quiserem, é o “pai da criança”.
Voltando aos Escanções, estes já começam a estar presentes em cada vez mais restaurantes, e podem ajudar o cliente a escolher o melhor vinho para a ocasião. Nós, clientes, podemos ou não seguir a sugestão. No entanto, aconselho a estarem com a carta dos vinhos na vossa mão quando eles falam, e sem dar muito nas vistas, à medida que ele vai sugerindo o vinho, vão pondo os olhinhos naqueles números escritos à frente de cada garrafa… Só para o caso de não terem que correr mais que os empregados do restaurante no final do jantar…
Agora, homem que é homem, para além de nunca se enganar quando está a conduzir, nunca precisa de pedir ajuda para escolher o vinho… (isso é para apreciadores de Mateus – piada só para seguidores do blog). O homem sabe sempre qual é o vinho certo e é sempre ele quem prova o vinho. Se quiser impressionar pede a rolha para inspecionar e cheirar primeiro, gira o vinho dentro do copo, olha o vinho contra a luz, cheira bem todos os aromas libertados do copo… O homem é por natureza, um Enófilo. Um quê? Enófilo é, como dizem os espanhóis, “aficionado a la degustación del vino”. Em bom Português é um apreciador de vinho, ou se quiserem, é um “wine expert”. Dito desta forma tem mais SWAG…
Cheers,
João