Gin para Totós (3), Aromatização

O telemóvel tocou! Deixa cá ver… olha mensagem da Eva: “Hoje, noite de fotografia para o blog cá em casa com “workshop” de Gin”.  Que grande lata…. estes convites para trabalhar são sempre “impacábeis”… Se ao menos convidasses para comer aquela pavlova de framboesas… isso é que era! Bem que fiquei com os olhinhos nela… Mas pronto, deixa-me responder antes que babe o telefone: “I’m in… o que tens de citrinos e ervas aromáticas? Eu levo o resto”.
Aprovisionamento feito, reunidas as tropas, e prontos para iniciar o avanço sobre o inimigo, lá começou o dito “workshop”
O que pretendemos com a Aromatização?
Basicamente com a Aromatização queremos salientar e fazer sobressair alguns dos ingredientes usados na destilação do Gin, tornando assim a bebida ainda mais agradável…
Primeiro conselho/truque que dou, é saber quais os ingredientes usados na destilação do Gin que vamos usar. Assim se usarmos um, ou vários, deles vamos acertar com certeza…. E não passamos por Totós!!!

Vamos começar pelos citrinos. A laranja, o limão e a lima (individualmente, ou todos juntos na chamada tripla aromatização), é daquelas aromatizações que fica bem em praticamente todas as preparações, uma vez que estão presentes em quase todos os Gins. Usamos os gomos/rodelas, “zest”, ou as duas coisas.
Podemos acrescentar especiarias como zimbro, bagos de pimenta, paus de canela, cardomomo, grãos de café, anis, cravinho… bem como ervas aromáticas como por exemplo alecrim, hortelã, manjericão…
As restantes frutas como uva, maçã, pêra, frutos vermelhos… também se podem usar. Tudo isto enriquece o sabor, e visualmente dá grande estaleca.
“Oh João! Isso é tudo muito bonito, sim senhor, coisa e tal…. mas nós queremos é saber como se faz…. Eu já vi fazerem assim umas cenas com as pinças nas cascas, tipo a rasparem e torcerem…. Isso serve para alguma coisa?”
Quando usamos a casca, queremos tirar os óleos que estão presentes nela, e passá-los para o copo. São estes óleos que contêm os aromas que pretendemos que aromatizem o Gin tónico. Então fazemos assim: pegamos na casca idealmente utilizando duas pinças de gelo, torcemos a casca e passamos rapidamente pela borda do copo, antes de a colocar dentro do copo que já foi previamente gelado…

 

 

No caso das ervas aromáticas, a técnica é ligeiramente diferente. Faz-se na palma da mão uma bola com as folhas, e dá-se uma pancada com a outra mão (bater uma palma com as folhas no meio). Isto quebra a folha e liberta mais os aromas desta. E além disso captamos a atenção de toda a gente que nos rodeia. “Que artista!”
Nas especiarias e nas restantes frutas… aqui não há truque nenhum, é só deitar para dentro do copo…
– Agora que terminamos o workshop, oh Eva, sabes o que é que ia bem com esta aromatização de frutos vermelhos? Era aquela pavlova que falaste há dias na página de facebook do Tripas… (boca lançada!!). É que tinha mesmo bom aspecto… (pumba…. outra!!!). Como no Gin que preparaste usaste as framboesas, ligava mesmo muito bem com aquelas framboesas e mirtilos, merengue e creme de pasteleiro (3 – 0 no marcador!!). O doce da pavlova contrastava com o amargo do Gin (estou imparável hoje….!!)
– Sim João… já percebi… Mas espera um bocadinho sentado então…
Fogo, pensei eu, nunca mais faço nada em prol do blog… é assim que ela me paga!!?? Nem de propósito, no instante seguinte, entra na sala algo que me deixa paralisado. Perplexo… Os meus olhos não conseguiam parar de seguir aquilo que a Eva segurava nas mãos… Um autêntico Egípcio a admirar o nariz de Cleopatra…
Meus amigos, só tenho uma coisa a dizer sobre isso…. Ainda hoje salivo quando penso naquela pavlova…. Ai não acreditam? Então vejam e digam alguma coisa se conseguirem….

 

Para concluir na minha opinião, já não somos Totós no Gin…. mas vamos recapitular tudo muito rapidamente ok?
*gelamos o copo
*aromatizamos o copo e o gelo
*5 cl de Gin
*20 cl Tónica deitado lentamente (se necessário revejam os posts anteriores onde tudo foi explicado ao pormenor)

Agora que cada um já fez o seu Gin Tónico, levantemos o copo e….
Cheers,
João