Caffé sospeso

A toda a hora somos bombardeados com
pedidos de ajuda para quem mais precisa. Pedidos de roupa para África, de comida para
os animais abandonados, de dinheiro para os portadores de HIV, de contributos
para as crianças de montes de instituições e ONGs cujo nome, na maioria das
situações, desconheço… Nunca sei bem que destino terá o meu contributo,
em grande parte dos casos acabo por recusar. Participo sempre nas
campanhas do banco alimentar contra a fome e pouco mais. Há uns meses descobri
na internet um movimento solidário que achei particularmente interessante, os
cafés suspensos, ou originalmente denominados de caffé sospeso. A
ideia surgiu em Nápoles e tem vindo a espalhar-se pelo Mundo desde então. O
projecto pretende ajudar pedintes e pessoas sem abrigo a ter um pequeno mimo
que aqueça o seu dia. Para isso basta entrar num café que pertença à
comunidade  coffee sospeso, e fazer o seu pedido “dois
cafés, um para mim e outro suspenso
”. Mais tarde qualquer pessoa que não
tenha possibilidade de pagar o café poderá usufruir da nossa oferta. Claro que
isto cá em Portugal é capaz de não fazer nenhum sentido para os ouvidos de
qualquer empregado de balcão. “Suspenso, menina? Suspenso como?”…
Segundo apurei o único local no nosso país que aderiu ao projecto até ao
momento é o Snack-Bar Mordido em Odivelas. Que belo nome… Mesmo apelativo.

Parece-me uma excelente forma de ajudar.
Faço votos para que mais cafés e restaurantes se juntem à comunidade e que seja
possível não só pedir cafés suspensos como também sopas suspensas, sandes
suspensas, pastéis de belém suspensos, francesinhas suspensas… e por aí fora.
Num mundo ideal talvez fosse possível chegar à fase de “antes de tomar
o seu cafezinho suspenso não quer saborear umas Tripas à moda do Porto
suspensas?
“.

Boas garfadas,
Eva